O Legado da Medicina Moderna: Doenças Incuráveis

Por Luis R. Miranda
The Real Agenda
20 de fevereiro de 2012

A natureza sempre encontra uma maneira de evoluir e sobreviver. O que poderia estar pensando em um ser humano, quando cría um produto farmacêutico a fim de “erradicar” um vírus ou bactéria? Os seres humanos não sabem o suficiente sobre os microorganismos, como vivem ou se adaptam a ambientes adversos para afirmar que um tratamento foi encontrado ou que há uma cura universal. O problema não é a procura de uma solução para nos manter livres de doenças, mas sím a arrogância dos chamados especialistas e cientistas que  dizem que a solução final foi encontrada. O campo da medicina tem evoluído ao longo do tempo, e continua evoluindo até hoje. Nenhum tratamento é final, nenhuma cura é livre de defeitos. A humanidade evolui e melhora, e assim acontece com os vírus e bactérias.

Um dos pecados mais perigosos da medicina moderna e os seus praticantes é assumir que as suas descobertas e os benefícios que vêm com elas vão acabar com toda a dor e sofrimento. A natureza continua mostrando que eles estão errados, uma e outra vez.

O mais recente exemplo do que chamo de “insanidade médica” está aumentando o número de doenças intratáveis e incuráveis. Assim como as ervas daninhas têm encontrado uma maneira de sobreviver ao ataque de herbicidas criando mecanismos para sobreviver, vírus e bactérias absorvem o impacto dos antibióticos e evoluem ao longo de gerações, para se tornar não só intratáveis, mas em muitos casos incuráveis.

No Reino Unido, novas bactérias e vírus são resistentes aos medicamentos tradicionais e agora representam uma ameaça maior do que a apresentada pela Aids ou o vírus que em teoría causa as pandémias de gripe. A bactéria E. Coli é um exemplo do tipo de ameaça que está quase fora de controle. Infecção com E.coli está se tornando uma doença que é impossível de tratar. Segundo o professor Peter Hawkey, do grupo de analise do governo sobre a resistência aos antibióticos, o aumento lento mas constante do número de bactérias que estão se tornando intratáveis até agora matam 25.000 pessoas por ano na União Europeia.

Entretanto, as infecções e mortes por doenças incuráveis e intratáveis não estão confinadas à Europa. A ameaça de uma bactéria ou um vírus incurável que vai se espalhar por todo um continente ou o mundo não seria um evento raro. Na verdade, a presença da bactéria E. coli no sangue de pacientes aumentou 30 por cento. De acordo com relatórios oficiais, o número de pessoas que foram vítimas de infecções bacterianas subiu de 18.000 para 25.000 em apenas quatro anos. A percentagem de microorganismos resistentes aos antibióticos foi de 1 por cento a 10 por cento em apenas 11 anos.

“Apenas uma em cada 20 infecções com E. coli é bacteremia, pelo que os dados acima são apenas a ponta de um iceberg de casos de pessoas infectadas “, diz um relatório elaborado pelo Professor Hawkey e seu grupo de estudo.

Enquanto isso, as empresas farmacêuticas que antes viam o desenvolvimento de antibióticos como uma grande oportunidade para encher seus bolsos com dinheiro agora não vêem incentivo para continuar ou iniciar uma nova pesquisa sobre melhores medicamentos que podem ajudar a diminuir os efeitos do que parecem ser microorganismos imunes. Não é de interesse comercial para as grandes farmacêuticas continuar  investindo tempo e dinheiro com medicamentos que os pacientes tomam por alguns dias e que estarão obsoletos em questão de anos. É mais rentável projetar drogas que os pacientes continuam usando por décadas.

Tal como acontece com a gripe aviária e gripe suína, E. Coli geralmente afeta pessoas idosas e pessoas com problemas crônicos de saúde, que são duas das populações mais vulneráveis. As pessoas nesses dois grupos não costumam morrer de ataque viral ou bacteriano, mas devido a complicações médicas que aumentam o uso de antibióticos, o qual faz com que os ataques de vírus e bactérias sejam implacáveis. E. coli tem uma ameaça ainda maior do que o MRSA, à meticilina resistent Staphylococcus aureus, que é causada por uma estirpe de estafilococo resistente aos antibióticos.

Enquanto os antibióticos tornam-se ineficazes para o tratamento de E. coli e MRSA, a necessidade de medicamentos mais fortes é mais evidente. No entanto, a atual linha de tratamento antibiótico está chegando aos seus limites. A utilização de carbapenêmicos, que são a última linha disponível já está encontrando resistência. “Nos últimos dois ou três anos vimos [microorganismos] desenvolvendo resistência aos medicamentos carbapenêmicos, o nível mais alto nos tratamentos com antibióticos que é citado como o instrumento de último recurso quando se trata de infecções virais ou bacterianas. No final de 2011, o Centro Europeu de Controlo e Prevenção de Doenças citou várias bactérias como a causa do envenenamento do sangue; entre elas a K. pneumoniae que também é resistente aos carbapenêmicos em alguns países.

De acordo com o ECDC, o número de bactérias resistentes a carbapenêmicos aumentou de 7 por cento a 15 por cento.

Assim como acontece com os seres humanos, os microorganismos como bactérias e vírus, historicamente, encontraram formas de superar perigos naturais para sobreviver. No caso de bactérias, no entanto, a evolução não é medida em décadas ou séculos. Processos reprodutivos e de desenvolvimento ocorrem mais rapidamente do que nos seres humanos e podem se adaptar a ambientes agressivos dentro de meses ou anos. A evolução e adaptação das formas de vida, tais como bactérias é tão simples como é explicado em qualquer aula de ciência da escola primária. Embora muitas bactérias ou vírus podem ser mortos por antibióticos, alguns sempre irão sobreviver e os membros sobreviventes modificarão a sua estrutura genética para criar uma resistência aos antibióticos. As bactérias têm a vantagem sobre os antibióticos porque sua capacidade para sobreviver e adaptar-se é quase infinita, enquanto que o número de combinações de antibióticos utilizados para combate-los é limitado.

Simplificando, a medicina moderna criou uma solução temporária para um problema perene e, agora, as empresas farmacêuticas estao sem iniciativa, sem ideias e sem ciência para continuar a luta. Aparentemente, os microorganismos tem vencido a última batalha. Eu me pergunto o que aconteceria se os seres humanos tivessem tratado as infecções causadas por bactérias da mesma forma que as bactérias progressaram contra os antibióticos. E se em vez de criar novas cepas mortais de gripe H5N1, os cientistas tivessem usado seu tempo tentando entender que os seres humanos são apenas uma pequena parte da natureza, e não seus criadores.

About Luis Miranda
The Real Agenda is an independent publication. It does not take money from Corporations, Foundations or Non-Governmental Organizations. It provides news reports in three languages: English, Spanish and Portuguese to reach a larger group of readers. Our news are not guided by any ideological, political or religious interest, which allows us to keep our integrity towards the readers.

2 Responses to O Legado da Medicina Moderna: Doenças Incuráveis

  1. Solange says:

    O problema é que continuamos sempre um passo atrás da evolução das bactérias… criamos antibióticos para uma mutação já existente e não conseguimos ir além. Medicamos sempre atrasados e fortalecemos os organimos unicelulares que evoluem naturalmente. Ô seres inteligentes, arrogantes e pluri-multi-celulares que somos!

  2. Roberto Wanderley valente says:

    Também, que bom que os patrões dos cientistas entendessem que não são proprietários da vida e da natureza. Que bom também se eles inventassem medicamentos para obter a cura para a avareza e a ganância crÔnica.