$ 352 Bilhões em Dinheiro da Droga foram Injetados na Economia Mundial em 1998

Sem esse dinheiro, a economia global teria se desmoronado desde então e vários bancos na Europa e os EUA teriam ido à falência.

Tradução Luis Miranda
Pravda
23 de novembro de 2011

Cartéis da Droga controlam o México. Estas estruturas criminosas são corporações transnacionais que produzem e distribuem drogas no México e desfrutam de seu reinado sem problema no país. O cartel Zetas é um fenômeno especial no México, porque foi literalmente criado e desenvolvidopelos serviços especiais dos EUA.

A guerra contra as drogas é uma farsa. O dinheiro da droga é uma parte importante da economia global, e sem ele o sistema colpasaría como um todo.

A guerra contra as drogas é uma farsa. O dinheiro da droga é uma parte importante da economia global, e sem ele o mesmo colpasaría como um todo.

Este grupo criminoso apareceu originalmente como uma estrutura militar. O grupo foi criado para apoiar as atividades do Cartel do Golfo. Durante a década de 1990, o Golfo atraiu militares e funcionários das unidades especiais da polícia no país: GAFE, ou Grupo de Forças Especiais Aéreas, e BFP, a Brigada Aérea do Exército Mexicano.

Todos os desertores, que compõem o coração de Los Zetas, foram treinados nas bases da CIA nos EUA, assim como na Escola da América do Sul (SOA) do Instituto do Hemisfério Ocidental para Cooperação e a Segurança. Os militares de elite do instituto foram enviados para os regimes sul-americanos controlados pelos EUA na América Latina, enfatizando a eliminação dos movimentos de guerrilha e a luta contra a distribuição de drogas.

Os soldados das Forças Especiais da Guatemala, também treinados pela CIA, se juntaram ao grupo de ex-soldados mais tarde. Depois que os EUA se livraram do traficante colombiano Pablo Escobar, a logística de carregamentos e mobilização de drogas mudou consideravelmente. Os mexicanos assumiram o grupo. Eles costumavam enviar a cocaína colombiana para os Estados Unidos, mas depois eles começaram a ditar os termos aos fabricantes de drogas colombianos.

Os cartéis estavam sendo desenvolvidos, mas os líderes do negócio internacional de drogas não queriam se juntar em um supercartel ou aliança. Eventualmente eles decidiram usar um velho estilo de luta contra “os ratos a bordo.” Eles estabeleceram os “ratos comedores”. Los Zetas, cujos membros foram treinados nos EUA em centros de operações de comandos, se tornaram esses ratos comedores que destruíram alguns dos cartéis e os restos da estrutura do Estado mexicano, como foi pedido pelo seu Mestre.

Em 1999, após a captura do líder do Cartel do Golfo, os Zetas mostraram que eles eram capazes de gerenciar o negócio sozinho. Então, eles usaram métodos brutais para lutar com os seus concorrentes, decapitando pessoas, deixando seus corpos desmembrados em locais públicos. Você pode encontrar vídeos de execuções horríveis na Internet. Eles cortaram as cabeças de pessoas rapidamente – com a ajuda de uma serra de cadeia – ou lentamente – com um facão.

O presidente mexicano, Felipe Calderón declarou a guerra à máfia das drogas. Desde então, 45.000 pessoas morreram em confrontos entre cartéis mexicanos e tropas do governo. Outra guerra entre os Zetas e o cartel do Golfo começou no início de 2010 no norte do México.

A estrutura dos Zetas é muito complicada. Eles dizem que o cartel tem vários níveis, mas praticamente representam diferentes formas das forças terrestes – o grupo de combate a cartéis. Eles são The Falcons (os Falcoes) – pessoas locais que monitoram a situação nos territórios sob seu controle. O time é liderado pelos Cobras, que também sao compostos por pessoas locais.

Os chamados Novos Zetas são grupos militares de outros países como a Guatemala, que começaram a trabalhar para o cartel. Os Antigos Zetas são os que se juntaram da organizaçao GAFE no final da década de 1990.

Estes grupos formam o núcleo da organização. Há grupos especiais regionais, como o Scorpions, criados pelo comandante local do cartel. Mas, na verdade, a estrutura é muito mais complicada. É composta de vários grupos autônomos. A falha ou destruição de um desses grupos não afeta o trabalho de outros.

“O dinheiro, honra e respeito são mais importantes para nós. Dominamos o comércio de drogas, e pedimos  as autoridades do México e os EUA para não colocar obstáculos no nosso negócio. Eles não serao capazes de destruí-lo por uma razão: Los Zetas sabem tudo sobre o trabalho da polícia e serviços especiais; mas os serviços especiais e policiais não sabem nada sobre as atividades de Los Zetas “, disse Arturo DeSena, um ex-tenente e fundador de Los Zetas.

Parece que Washington não pode parar o negócio da droga, já que desestabilizaria o sistema financeiro dos Estados Unidos. O sistema depende de investimentos de vários bilhões de dólares que se originam de cartéis de drogas ao redor do mundo. Antonio Maria Costa, diretor do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime, disse que há vários anos os cartéis da droga salvaram vários bancos durante a crise de 1998. Os maiores cartéis do mundo transferiram 352.000 milhões de dólares aos bancos durante o período mais duro da crise, disse o funcionário.

O produto do crime organizado foi o “único capital de investimento líquido”, disponível para alguns bancos que entrariam em colapso em 1998. “Empréstimos interbancários foram financiados pelo dinheiro que se originou do tráfico de drogas e outras actividades ilegais … Havia sinais de que alguns bancos foram resgatados dessa forma”, disse Costa ao Observer em 2009. A maioria dos 352.000 milhões de dólares da droga foram absorvidos pelo sistema econômico, disse ele.

De acordo com Costa, os cartéis da droga salvaram bancos da Grã Bretanha, EUA, Suíça e Itália.

As drogas tornaran-se um desastre nacional nos Estados Unidos há muito tempo. Parece também que é uma boa maneira de controlar a população. Até dez milhões de americanos usam cocaína regularmente (diariamente), de acordo com estatísticas oficiais. Até 40 milhões de pessoas usam cocaína com menor freqüência. Se esse consumo fosse bloqueado das pessoas o país afundaria no caos.

 

About Luis Miranda
The Real Agenda is an independent publication. It does not take money from Corporations, Foundations or Non-Governmental Organizations. It provides news reports in three languages: English, Spanish and Portuguese to reach a larger group of readers. Our news are not guided by any ideological, political or religious interest, which allows us to keep our integrity towards the readers.

Comments are closed.