Produtos Químicos Altamente Tóxicos em Roupas de Grife

NaturalNews.com
02 de setembro de 2011

Em Português Luis R. Miranda

No início desta semana Greenpeace disse em seu relatório “Dirty Laundry 2” que traços de substâncias químicas tóxicas têm sido detectadas em produtos feitos por 14 fabricantes de vestuário para grandes marcas.

Estes produtos químicos, chamados de nonilfenol (NPE) são comumente usados ​​como detergentes em indústrias de produção de têxteis naturais e sintéticas. NPE forma nonilfenol, em uma perigosa toxina que causa distúrbios hormonais persistentes. Esta toxina tem sido demonstrado que imita os hormônios femininos, alterando o desenvolvimento sexual e afetando o sistema reprodutivo.

Greenpeace diz que comprou 78 amostras de roupas de grife diferentes (a maioria delas fabricadas na China, Vietnã, Malásia e Filipinas) de 18 países em todo o mundo e submetiu-las a análise científica cuidadosa. NEP foi detectado em dois terços das amostras, incluindo marcas como Calvin Klein, Adidas, Converse, Ralph Lauren, Abercrombie & Fitch, Hockey Bauer, Cortefiel, Uniqlo, Gap H & M, Lacoste, Nike, Phillips-Van Heusen Corporation (PVH Corp) e Puma. Durante o ano passado, Greenpeace descobriu que todas essas marcas estão ligadas a dois fabricantes específicos.

A questão de produtos químicos tóxicos na roupa não é apenas um problema para os países em desenvolvimento, onde os têxteis são feitas. Já que os níveis residuais de NPEs são liberados quando as roupas são lavadas, esses produtos químicos estão agora lentamente chegando aos países onde o uso é proibido.

O perigo de NPE

Certos componentes do NPE são relacionados com a “feminização” geral de peixes machos em algumas partes da Europa e na interrupção dos processos hormonais em mamíferos, de acordo com a campanha do grupo WWF. Mesmo em níveis baixos, esta toxina é uma grande ameaça ao meio ambiente e a saúde humana. Não é por acaso que o uso de NPEs é completamente restrito na Europa.

Nossa pele é nosso maior órgão e o que nós pomos em nossos corpos literalmente é bebido – incluindo produtos químicos que permanecem na roupa. Desta forma, expor a nossa pele a esses produtos químicos tóxicos através de roupas e produtos que são colocados sobre a pele pode agravar as consequências de uma maneira significativa.

NPE pode certamente contribuir para o aumento da incidência de problemas de saúde ligados a alterações hormonais.

Todas as preocupações com sobrecarga tóxica devem ser consideradas no contexto de uma mudança biológica monumental. Apenas 150 anos atrás, as meninas tinham sua primeira menstruação aos 15 ou 16 anos e as mulheres atingiam a menopausa entre 30 e 40. No entanto, nos tempos modernos, muitas vezes as garotas começam a puberdade aos 9 anos e menopausa geralmente não ocorre até cerca de 50.

Não só temos poluído nossos corpos de maneiras nunca antes vistas, mas o nosso meio ambiente também esta se tornando cada vez mais tóxico de formas que muitas vezes não somos conscientes. Isso é evidente pelo fato de que o período em que os corpos das mulheres passam por uma série de importantes mudanças hormonais foi estendido por um período de tempo muito maior, aumentando não só a sua vida reprodutiva, mas também as possibilidades de câncer de mama. Exposição a produtos químicos tóxicos por meio do uso de produtos domésticos, nossos alimentos, cosméticos, produtos químicos na roupa, etc, fazem parte desta ameaça.

A verdade alarmante sobre as fábricas de roupa

No passado, a Greenpeace ficou preocupada com a quantidade de água utilizada para fazer a maioria das nossas roupas. Em média, a fibra de uma camisa de algodão requer 713 galões de água, e métodos tradicionais para pintar os tecidos utilizados usam entre 7 e 75 litros de água por quilograma de tecido. Tudo isto acrescenta-se a bilhões de galões de água por ano que passam pelas fábricas têxteis de tingimento de roupas.

Agora Greenpeace tem provado que a água que sai das plantas contaminadas com metais pesados ​​e substâncias químicas tóxicas que causam graves problemas de saúde em animais e humanos. Recentemente “Dirty Laundry”, tem acusado abertamente os fabricantes de têxteis que fabricam roupas para grifes como a Adidas, de poluir dos grandes rios da China.

As práticas de duas importantes fábricas têxteis na China foram cuidadosamente examinadas. Para coletar informações ativistas do Greenpeace vestiram-se com roupas protetoras e coletaram amostras de água fora das fábricas que foram analisadas com cuidado. Os resultados mostraram claramente que as toxinas estão sendo despejadas nos rios da China todos os dias.

Segundo o Greenpeace, os tóxicos saindo dessas fábricas incluem metais pesados ​​e “produtos químicos perigosos que causam distúrbios hormonais.” Alquilfenóis, incluindo o nonilfenol foram encontrados em amostras de esgoto de duas plantas examinadas, e compostos perfluorados (PFCs) estavam presentes nas águas residuais de um dos complexos (Complexo Têxtil Youngor).

Oito amostras de águas residuais das duas fábricas no Yangtze e do Delta do Rio das Pérolas, identificado como fornecedores das marcas listadas acima, continham “um coquetel de produtos químicos perigosos”, disse no mês passado Greenpeace no seu relatório “Dirty Laundry”.

Empresas Respondem – ou não?

A maioria das marcas internacionais, cuja roupa é contaminado com estas toxinas negaram usar os serviços de qualquer uma das duas fábricas, dizendo que eles só usam os serviços de “costura” nestes lugares. No entanto, isso não muda o fato de que as práticas destas plantas são típicas do que é encontrado em toda a China – onde a maioria das nossas roupas são feitas.

Quando o relatório de Greenpeace foi lançado, ativistas do Greenpeace vestidos como árbitros causaram um escândalo na frente das lojas Adidas com uma bandeira de Hong Kong e exigiram que a loja removesse os produtos químicos perigosos em seus produtos. Ativistas também pediram aos clientes da loja que  reconsiderassem sua decisão de comprar a roupa contaminada.

Depois de circular a loja, os ativistas distribuíram panfletos aos clientes com informações que alertavam sobre como a marca devia “fair play”.

Desde então, Nike e Puma tem sido as únicas marcas que prometeram eliminar o uso de produtos químicos perigosos em seus produtos – mas apenas para o ano 2020!

Qualquer pessoa pensaria que o segundo fornecedor na indústria de artigos esportivos, Adidas, consideraria tirar os produtos tóxicos do seu processo de fornecimento global. No entanto, Adidas tem ignorado repetidos pedidos, disse um porta-voz do Greenpeace. A empresa tinha admitido o uso do Grupo Youngor – um dos fornecedores de roupas – para cortar e costurar tecidos. Adidas pediu para Youngor investigar as acusações do Greenpeace, acrescentando que a empresa tem uma política global de evitar substâncias e produtos químicos perigosos.

Muitas das empresas acusadas tem melhorado os esforços de sua sustentabilidade e reduziram o impacto ambiental de seus produtos. No entanto, seus planos não incluem metas específicas para a eliminação de corantes tóxicos.

Greenpeace apela às empresas “Desintoxiquem Agora.”

Greenpeace lançou o programa “Detox Now!” Para colocar pressão sobre Nike, Adidas e outras empresas famosas de roupas de grife para eliminar o uso e liberação de produtos químicos perigosos no ciclo de produção de seus produtos.

Pessoas em todo o mundo estão respondendo de forma rápida e com entusiasmo. Milhares de pessoas já assinaram uma petição em internet e 600 pessoas em dez países diferentes protestaram na frente de lojas da Nike e Adidas e fizeram um strip-tease no dia 23 de julho deste ano.

A pressão da opinião pública está começando a ter algum efeito, mas não o suficiente. Puma foi a primeira empresa a assumir a responsabilidade pelas toxinas liberadas na fabricação de seu vestuário e calçados. No entanto, a empresa disse que a eliminação destas toxinas pode levar até nove anos. Em um comunicado publicado em seu website, Puma diz:

“… Sportlifestyle empresa PUMA reconhece a necessidade urgente de reduzir e eliminar as emissões industriais de todos os produtos químicos perigosos. De acordo com a sua abordagem baseada nos princípios da prevenção e da precaução, a PUMA tem o compromisso de eliminar as descargas de todos os produtos químicos perigosos e todos os processos de produção que estão associados com a fabricação e uso de produtos PUMA para 2020. “

Nem uma palavra se ouviu da Adidas e outras marcas sobre o pedido de Greenpeace para remover essas toxinas perigosas de suas linhas de fornecimento.

Estas toxinas prejudicam desnecessariamente nossas vidas

O relatório de Greenpeace é um passo importante para educar as pessoas sobre o quão perigosa é a indústria têxtil. Também é uma boa maneira de colocar a pressão necessária sobre as grandes marcas que dizem querer cuidar do meio ambiente para mover a indústria para um futuro sem tóxicos. Você pode assinar a petição agora! aqui.

Têxteis sintéticos não precisam de água para absorver a tinta corretamente. As altas temperaturas que estes tecidos necessitam para as fibras adquirem as cores pode ser alcançado sem o uso de água. Isto significa que as marcas de roupas famosas têm opções e poderia eliminar as toxinas usadas para tingir os sapatos, camisas e outros produtos.

About Luis Miranda
The Real Agenda is an independent publication. It does not take money from Corporations, Foundations or Non-Governmental Organizations. It provides news reports in three languages: English, Spanish and Portuguese to reach a larger group of readers. Our news are not guided by any ideological, political or religious interest, which allows us to keep our integrity towards the readers.

Comments are closed.