Dívida Nacional dos EUA é de 214 trilhões não 14 trilhões

Por Luis R. Miranda
NPR
11 agosto de 2011

Quando Standard & Poors reduziu o rating de crédito do país de AAA para AA-+, os Estados Unidos sofreu o seu primeiro downgrade da historia. S & P tomou esta ação, apesar do plano do Congresso que aprovou o aumento da dívida na semana passada.

O downgrade, a S & P disse, “reflete nossa opinião de que o plano de consolidação orçamental que o Congresso e o governo concordaram recentemente, a nosso ver, não é suficiente para estabilizar a dinâmica de pagamento da dívida do governo a médio prazo.”

São esses os problemas da dívida de médio e longo prazo que também preocupam ao professor de economia Laurence J. Kotlikoff, que atuou como economista sênior no Conselho de Assessores Econômicos do presidente Reagan. Ele diz que a dívida nacional, que o Tesouro dos EUA tem determinado é de cerca de US $ 14 trilhões, é apenas a ponta do iceberg.

“Nós temos todas essas dívidas não-oficiais que são enormes em comparação com a dívida oficial”, diz David Greene Kotlikoff, anfitrião do convidado da semana no programa de radio All Things Considered. “Estamos focados apenas na dívida pública, e estamos tentando equilibrar as contas erradas”.

Kotlikoff explica que as obrigacoes “não oficiais” da América – como a Segurança Social, Medicare e Medicaid – aumentam a dívida substancialmente.

“Se você somar todas as promessas que foram feitas para as obrigações de gastos, incluindo gastos de defesa, e você subtrair todos os impostos que nós esperamos recolher, a diferença é 211 trillioes de dólares. Essa é a lacuna fiscal “, diz ele. “Esse é o nosso endividamento verdadeiro.”

Nós não ouvimos mais sobre este número enorme, Kotlikoff diz, porque os políticos têm escolhido seu discurso com cuidado para manter a maior parte do problema fora dos livros.

“Por que esses caras pensam em equilibrar o orçamento?”, Diz ele. “Eles deveriam tentar e pensar sobre o nosso problema fiscal a longo prazo.”

De acordo com Kotlikoff, um dos maiores problemas fiscais que o Congresso deve focar é a obrigação da América para fazer os pagamentos da Segurança Social para as futuras gerações de idosos.

“Temos 78 milhões de baby boomers que estão prestes a se aposentar, em 15 a 20 anos, com US$ 40.000 por pessoa. Multiplique 78 milhões por 40.000 dólares – você está falando de mais de US$ 3 trilhões por ano apenas para uma parcela da população “, diz ele. “Essa é uma conta enorme que está pendendo sobre nossas cabeças, e o Congresso não está atento a ela.”

“Nós temos feito muito pouco muito tarde, temos nos preparado somente para o curto prazo, e achamos que o futuro iria cuidar de si mesmo, nós vamos lidar com isso amanhã”, diz ele. “Bem, adivinhem? Você não pode continuar adiando estes problemas. ”

Para eliminar o deficit fiscal, Kotlikoff diz, os EUA teriam que ter aumentos de impostos e reduções de gastos muito além do que está sendo negociado agora em Washington.

“O que você tem que fazer imediatamente e permanentemente é aumentar os impostos em cerca de dois terços, ou imediatamente e permanentemente cortar cada dólar de gastos em 40 por cento para sempre. Os números da Congressional Budget Office diz que temos um problema absolutamente enorme que enfrentamos. “

About Luis Miranda
The Real Agenda is an independent publication. It does not take money from Corporations, Foundations or Non-Governmental Organizations. It provides news reports in three languages: English, Spanish and Portuguese to reach a larger group of readers. Our news are not guided by any ideological, political or religious interest, which allows us to keep our integrity towards the readers.

Comments are closed.