Uma Doença Saudável: Fadiga de Facebook

Centenas de milhares de pessoas na Europa e Canadá fecharam suas contas Facebook. Quais serão os outros?

Por Luis R. Miranda
The Real Agenda
14 de junho de 2011

Violações de privacidade, invasão de privacidade e o tédio causaram com que centenas de milhares de usuários do Facebook fecharem suas contas na Europa, Canadá e estima-se que milhões de americanos vão continuar com esta tendência. Embora o uso das redes sociais tornaram-se uma prática diária, uma parte da vida das pessoas, há um limite no que os usuários podem obter a partir de uma rede antes que se torne chato e perigoso.

O mundo está enfrentando Fadiga de Facebook?

Estimativas recentes indicam que, até agora, pelo menos 100.000 pessoas fecharam suas contas do Facebook na Grã-Bretanha. No Canadá, cerca de 1,5 milhões de usuários decidiram dizer adeus para a sua “Casa Azul”. Enquanto isso, a contabilidade nos EUA mostram que 6 milhões de pessoas se desligaram de Facebook. Mas isso é uma surpresa? Definitivamente não. Os defensores da privacidade reclamaram do uso da tecnologia que faz com que Facebook acumule mais informação do que é necessário.

Segundo o Mail Online, o número de membros de Facebook tem diminuído em todo o mundo. No entanto, a rede está otimista em alcançar o número mágico de 1 bilhão de membros. Enquanto o Facebook experimenta uma diminuição no numero de membros no mundo desenvolvido, em países do terceiro mundo o número de pessoas registradas está crescendo. Uma razão para isso é o fato de que os países do terceiro mundo sofrem com a falta de acesso à tecnologia, como Internet, TV por satélite, TV a cabo, e assim por diante. Isso torna difícil para as pessoas nessas partes do mundo aprender sobre redes sociais e, portanto, utiliza-las. Os usuários nos países em desenvolvimento também ignorar os perigos potenciais à privacidade, que estão expostos quando eles se tornam membros de redes sociais.

Segundo o Mail Online, há uma possível “saturação de filiação natural” sobre o que você pode fazer com o Facebook e outras redes sociais, o qual estagna o crescimento. “Nos EUA, o número de usuários passou de 155.2million para 149,4 milhões em maio. No Canadá, houve uma queda de 1,5 milhões de usuários, enquanto na Rússia e Noruega também os números caíram mais de 100.000 usuários. ”

Quando entrevistado, Eric Eldon, da organização Inside Facebook, disse que uma vez que você alcanca a metade da população de um país, a tendência é que as figuras parem de crescer. “Os usuários do Facebook estão entediados como qualquer homem ou mulher que experimenta uma coisa nova”, diz o psicólogo especialista Graham Jones. “As pessoas estão extremamente animadas com algo novo e depois de um tempo, a novidade desaparece. Mesmo que seja uma nova série televisiva que todo mundo acha que é excepcional no começo. ”

Mas quanto da diminuição se deve a problemas de segurança? Facebook, Google e Apple -revelou-se recentemente- usam tecnologia para coletar informações que os defensores da privacidade e muitos usuários acham desnecessária e uma violação da privacidade. Facebook permite que uma função reconheça as pessoas nas fotos postadas na rede, usando um software de reconhecimento facial. O problema é que usuários do Facebook não são avisados sobre isso. A Apple, por outro lado, registra os movimentos de usuários com seu iPhone, sem avisar os usuários sobre isso. E o Google? Bem, o Google viola constantemente a privacidade daqueles que navegam através das suas páginas durante as pesquisas e até mesmo usa as câmeras do PC e microfones para ouvir os usuários e lhes oferecer produtos enquanto navegam na Internet.

Surpreendentemente, a maioria, senão todas as violações que Facebook Apple e Google fazem, acontecem porque essas empresas receberam um mandato do governo dos Estados Unidos após a aprovação da Lei de Telecomunicações de 1996. Isso significa que as empresas são obrigadas a coletar e registrar os dados, porque o governo dos EUA exige. “A informação recolhida através da Internet coloca problemas constitucionais que devem ser considerados, tais como a privacidade e o direito contra buscas e apreensões”, disse o juiz Gerald E. Rosen, que também é professor de evidência na Wayne State University. “As evidências obtidas através da Internet e sites de mídia social também levantam questões sobre se a informação pode ser autenticada”, disse ele. Junto com a Lei de Telecomunicações de 1996, existe o Cyber Security Act de 2010, que expandiu os poderes do governo e suas agências para bisbilhotar.

Facebook negou as acusações de invasão de privacidade através de seus porta-vozes, que sempre alegam que apesar de ter recebido “um grande volume de solicitações de dados de terceiros”, todos estes pedidos são analisados individualmente e com cuidado para encontrar ” suficiência legal. ”

Mas talvez o problema mais grave, é o fato de que o próprio governo usa redes sociais como Facebook, Twitter, Orkut e outros para influenciar as pessoas. Como Russia Today informou em abril, funcionários da inteligência do governo fazem as suas rondas no Facebook e outras redes sociais com a intenção específica de obter informações. De acordo com o ex-analista de inteligência, Wayne Madsen, órgãos governamentais utilizam programas como o Carnivore não somente para espiar, mas para dizer às pessoas como usar Internet.

A tendência levanta preocupações enquanto à privacidade e à falta de provas em uma era de rápida evolução digital e mostra o potencial de aplicação através do uso das mídias sociais, segundo especialistas. “O FBI e outras agências governamentais enfrentam uma crescente lacuna no que diz respeito à sua autoridade legal para interceptar as comunicações electrónicas em conformidade com uma ordem judicial e sua habilidade prática para interceptar comunicações sem essas ordens”, disse Valerie Caproni, Conselheira do FBI.

Mas as questões das tecnologias invasivas não se limitam aos Estados Unidos. No Reino Unido, o governo concordou em espionar todos os e-mails, telefonemas e cada clique na web, usando a desculpa da segurança nacional e à guerra contra o terrorismo. De acordo com Tom Burghardt, órgãos estaduais que vão desde a CIA até a Agência de Segurança Nacional estão investindo milhões de dólares em empresas de “mineração de dados” que dizem ter uma alça sobre o que uma pessoa é ou o que poderia fazer o futuro.

Em julho, o jornalista de segurança, Noah Shachtman revelou na revista Wired que “o braço de investimentos da CIA e do Google apoiam uma empresa que monitora websites em tempo real, e diz que ele usa essa informação para prever o futuro.”

Shachtman informou que uma sociedade de investimento semi-privado da CIA, a In-Q-Tel, e Google Ventures, a divisão do gigante de buscas se associaram em uma aventura chamada Recorded Future em que investiram pelo menos US $ 20 milhões.
Uma sinopse da página de In-Q-Tel, informa que Recorded Future “extrai informações de tempo e eventos da web. A empresa oferece aos usuários novas formas de analisar o presente passado e futuro. ”

Um relatório sobre a atual tendência em mashable.com sobre a fadiga no Facebook disse que se a tendência de queda continua por um par de meses, executivos do Facebook vão ter que pensar seriamente sobre o futuro da empresa. Será que eles não fizeram isso ainda? E se os relatos de envolvimento do governo na “mineração de dados” e tão grave quanto descrita por Madsen, Burghardt e outros não seria de surpreender então que este fato, por si só, possa ser o gatilho para uma migração maciça dos usuários a tecnologias alternativas de comunicação. Por exemplo, pessoas preocupadas com a forma como o Google coleta e vende informações de seus usuários têm a opção de usar StartPage.com, um motor de busca que não grava os dados do usuário, mas tem a vantagem de fornecer resultados de pesquisa do Google.

Se o tédio e a monotonia do Facebook e outras redes sociais não é suficiente para fazer com que as pessoas fechem suas suas contas, talvez a invasão de privacidade realizada pelas redes sociais em nome de órgãos governamentais ou por meio de inteligência do governo, em si é um motivo para considerar desconectá-las. É provável que o impacto real da “fadiga”, mostre os efeitos reais uma vez que os usuários de países do terceiro mundo, que estão ficando para trás do ponto de vista tecnológico e informacional, percebam o quão chato e perigoso Facebook e outras redes sociais como o Facebook são.

About Luis Miranda
The Real Agenda is an independent publication. It does not take money from Corporations, Foundations or Non-Governmental Organizations. It provides news reports in three languages: English, Spanish and Portuguese to reach a larger group of readers. Our news are not guided by any ideological, political or religious interest, which allows us to keep our integrity towards the readers.

Comments are closed.