Advertisements

Índia proíbe importações de alimentos do Japão

A Agência Ambiental Americana (EPA), aumentou os níveis de exposição à radiação para fazer com que a nova radiação pareca segura. 2,4 milhões de galões de liquido radiativo esta sendo despejado diretamente no oceano.

Reuters
Adaptação Luis R. Miranda
Abril 5, 2011

A Índia impôs uma proibição de três meses sobre as importações de produtos alimentares de todo o Japão em medos que a radiação de uma usina nuclear atingida pelo terremoto esteja se espalhando para outras partes do país. A Índia é o primeiro país a introduzir uma proibição geral.

A proibição comeca depois de quatro semanas de tentativas infrutíferas para fixar com segurança a usina nuclear de Fukushima em Japão aleijado por um terremoto e tsunami no que poderia ser o maior desastre nuclear do mundo em um quarto de século.

“A importação de produtos alimentícios vindos do Japão estao suspensos com efeito imediato por um período de três meses ou até o momento em que informação credível esteja disponível que o perigo de radiação e zero ou esta dentro de limites aceitáveis”, disse um comunicado do Ministério da Saúde e Bem-Estar Familiar.

“Depois de discussões aprofundadas, concluiu-se que desde que a radiação se espalha/expande horizontalmente em outras partes do Japão, isto pode resultar na contaminação radioactiva na cadeia de abastecimento das exportações de alimentos do Japão”, acrescentou o comunicado.

A Índia importa principalmente um pequeno volume de produtos industrializados, frutas e vegetais do Japão.

O Japão afirmou nesta terça-feira que estava considerando impor restrições em frutos do mar depois que peixes contaminados foram encontrados em mares bem mais ao sul dos reatores nucleares danificado.

Alguns países impuseram proibições de produtos lácteos, carne, peixe e outros produtos das áreas perto da usina nuclear. Muitos outros estão monitorando os níveis de radiação em bens importados do Japão.

Advertisements

About Luis Miranda
The Real Agenda is an independent publication. It does not take money from Corporations, Foundations or Non-Governmental Organizations. It provides news reports in three languages: English, Spanish and Portuguese to reach a larger group of readers. Our news are not guided by any ideological, political or religious interest, which allows us to keep our integrity towards the readers.

Comments are closed.